ITCNET
Regulamentação do Parcelamento do Simples Nacional
Fechar
ITCNET NEWS URGENTE!


REGULAMENTAÇÃO DO PARCELAMENTO DE DÉBITOS DO SIMPLES NACIONAL INSCRITOS EM DIVIDA ATIVA DA UNIÃO

Foi publicada no DOU de 09/12/2016 a Portaria PGFN nº 1110/2016, que dispõe sobre o parcelamento de débitos apurados na forma do Simples Nacional de que trata o art. 9º da Lei Complementar nº 155/2016, inscritos em Dívida Ativa da União, administrados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.

Confira a seguir os principais destaques!

1 - Dos Débitos a Serem Parcelados na Procuradoria

Os débitos para com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional - PGFN apurados no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos devidos pelas Microempresas e pelas Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), inscritos em Dívida Ativa da União, relativos à competência até maio de 2016, poderão ser parcelados em até 120 (cento e vinte) parcelas mensais e sucessivas, observadas as disposições constantes desta Portaria, e da Resolução CGSN nº 132, de 6 de dezembro de 2016 (ainda não publicada no DOU).

O disposto se aplica aos débitos inscritos em Dívida Ativa da União com exigibilidade suspensa ou não, parcelados anteriormente ou não, inclusive na forma da Portaria PGFN nº 802, de 09 de novembro de 2012.

NOTA ITC: É vedada a concessão do parcelamento de que trata esta Portaria aos sujeitos passivos com falência decretada.

2 - Do  pedido de Parcelamento

De acordo com o art. 2º da citada Portaria PGFN nº 1110/2016, o pedido de parcelamento:

I - deverá ser apresentado a partir do dia 12 de dezembro de 2016 até o dia 10 de março de 2017, exclusivamente por meio do sítio da PGFN na Internet, no endereço, no Portal e-CAC PGFN, opção "Parcelamento", na modalidade "Parcelamento Especial Simples Nacional";

II - o pedido de parcelamento poderá ser feito pelo devedor principal ou pelo corresponsável, constante da inscrição em Dívida Ativa da União;

III - no caso de devedor pessoa jurídica, o requerimento de adesão deverá ser formulado pelo responsável perante o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ);

IV - abrangerá apenas as inscrições em dívida ativa da União selecionadas pelo sujeito passivo no momento da adesão;

V - abrangerá a totalidade competências dos débitos que compõem as inscrições em dívida ativa da União selecionadas pelo sujeito passivo no momento da adesão;

VI - implica desistência compulsória e definitiva de parcelamentos em curso;

VII - independe de apresentação de garantia; e

VIII - implica confissão irrevogável e irretratável da totalidade dos débitos abrangidos pelo parcelamento, existentes em nome do sujeito passivo, na condição de contribuinte ou responsável, e configura confissão extrajudicial, sujeitando o optante à aceitação plena e irretratável de todas as condições estabelecidas nesta Portaria e na Resolução CGSN nº 132/2016 (ainda não publicada no DOU);

3 - Efeitos do Pedido de Parcelamento

Somente produzirão efeitos os pedidos de parcelamentos formulados na forma prevista nesta Portaria e com o correspondente pagamento tempestivo da primeira prestação emitida no e-CAC PGFN. Na hipótese de pedidos sem efeitos, os parcelamentos anteriores rescindidos não serão restabelecidos.

4 - Da Consolidação da Dívida

A dívida será consolidada na data do pedido de parcelamento e resultará da soma:

I - do principal;

II - da multa de mora ou de ofício;

III - dos juros de mora; e

IV - dos encargos-legais.

5 - Do Valor da Prestação

O valor das prestações será obtido mediante divisão da dívida consolidada pelo número máximo de até 120 (cento e vinte) parcelas, observado o valor mínimo R$ 300,00 (trezentos reais) por parcela.

O valor de cada prestação, inclusive da parcela mínima, será acrescido de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao da consolidação até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado.

5.1 - Vencimento de Cada Parcela

As prestações vencerão no último dia útil de cada mês.

O pagamento das prestações deverá ser efetuado exclusivamente mediante Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS) emitido através do e-CAC da PGFN, pelo sistema de parcelamento da PGFN.

6 - Da Rescisão do Parcelamento

Eventual pagamento realizado de forma diversa à prevista nesta Portaria será considerado sem efeito para qualquer fim.

Implicará rescisão do parcelamento, a falta de pagamento de:

I - 3 (três) parcelas, consecutivas ou não; ou

II - a existência de saldo devedor após a data de vencimento da última parcela.

É considerada inadimplida a parcela parcialmente paga.

Rescindido o parcelamento, apurar-se-á o saldo devedor, com o prosseguimento da cobrança.

7 - Débitos Vinculados à Ações Judiciais

Para inclusão no parcelamento previsto nesta Portaria de débitos inscritos em Dívida Ativa da União com a exigibilidade suspensa por decisão judicial, o sujeito passivo deverá, previamente, até o dia 10 de março de 2017, comparecer à unidade de atendimento integrado da Receita Federal do Brasil de seu domicílio tributário para comprovar a desistência expressa e irrevogável da ação judicial, e, cumulativamente, a renúncia a quaisquer alegações de direito sobre as quais se funde a ação judicial.

A comprovação de que trata este item, se dará mediante a apresentação da 2ª (segunda) via da correspondente petição de desistência ou de certidão do Cartório que ateste a situação das respectivas ações.

8 - Desistência de Parcelamentos Anteriores

Para inclusão no parcelamento previsto, de débitos inscritos em dívida ativa com parcelamento em curso, inclusive na forma da Portaria PGFN nº 802, de 09 de novembro de 2012, o sujeito passivo deverá, previamente, até o dia 10 de março de 2017, comparecer à unidade de atendimento integrado da Receita Federal do Brasil de seu domicílio tributário para solicitar, de forma irretratável e irrevogável, a desistência do parcelamento.

Fonte: Editorial ITC Consultoria.



Acesso para Clientes
 
Módulos Especiais de Pesquisa
 
 
Aplicativos para Pesquisa
 
Área Estadual
MVA AJUSTADA
Cálculo do Percentual da MVA Ajustada
Área Federal
TIC
Tabela de Incidência do PIS, Cofins e IPI
COMPARAÇÃO DE CARGA TRIBUTÁRIA
Aplicativo Disponibilizado pelo SEBRAE
Área Previdenciária
DESONERAÇÃO DA FOLHA
Enquadramento por NCM, CNAE e Serviços
 
Perguntas e Respostas
Tutorial de Navegação
Legislação Tributária
Regulamentos / ICMS
  
  
Substituição Tributária Santa Catarina
  
  
Módulos
  
  
  
  
  
Legislações Especiais
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
Lançamento
Ver últimas

 
Legislação Federal - Últimas Publicações
   
   
   
 
Legislação Estadual - Últimas Publicações
   
   
   
   
   
 
Artigos/Matérias - Últimas Publicações
  BONIFICAÇÕES EM MERCADORIA - Escrituração Contábil  
  GFIP DA COMPETÊNCIA 13 - Considerações  
  CONTRATO DE TRABALHO TEMPORÁRIO - Considerações Gerais  
  DIRF 2017 - Regras para Apresentação  
  NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) - Obrigatoriedade de Emissão e Crédito Tributário ao Tomador do Serviço  

 
Notícias Online (Publicadas no ITCNET Mail)
  REGULAMENTAÇÃO DO PARCELAMENTO DE DÉBITOS DO SIMPLES NACIONAL INSCRITOS EM DIVIDA ATIVA DA UNIÃO
Notícia do ITCNET Mail do dia 09/12/2016
 
  RECEITA FEDERAL ATUALIZA REGRAS DE NOMENCLATURA DO SISTEMA HARMONIZADO (SH)
Notícia do ITCNET Mail do dia 09/12/2016
 
  DISPONIBILIZAÇÃO PRELIMINAR DA VERSÃO DA TEC A SER ADOTADA PELO BRASIL EM 2017
Notícia do ITCNET Mail do dia 09/12/2016
 
  CFT APROVA ANULAÇÃO DE MULTA DE EMPRESA POR NÃO ENTREGA DA GFIP
Notícia do ITCNET Mail do dia 09/12/2016
 
  STJ EXCLUI TAXA PORTUÁRIA DA BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO
Notícia do ITCNET Mail do dia 09/12/2016
 
  CFC PRORROGA POR MAIS UM ANO A RECLASSIFICAÇÃO DAS COTAS-PARTES DAS SOCIEDADES COOPERATIVAS
Notícia do ITCNET Mail do dia 09/12/2016
 
     
Indicadores Econômicos
 
Curta nossa página no facebook

 
Usuário:
Senha:
 
Lembrar meu Usuário:
Serviços
  
  
  
  
  
  
  
Artigos / Matérias
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
  
Sistemas SEF/SC

Nos termos da Lei nº 9610, de 19.02.98, é proibida a reprodução para fins comerciais, total ou parcial, e para utilização na prestação de serviços a terceiros, de qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico de nossos conteúdos, inclusive através de processo reprográfico, sem a permissão por escrito do responsável pela área de publicações do ITC Consultoria.

© 1994 - 2016 - ITC Informativo Tributário Contábil. Todos os direitos reservados.